A rotatividade no trabalho é comum, mas deve acender um alerta nas empresas quando suas taxas são altas. O índice de turnover pode revelar que a empresa está com problemas na contratação e retenção de profissionais, mesmo que as demissões sejam decididas pela companhia. Nesse caso, pode ser um indício de que a contratação está sendo feita de forma errada.

Quando o índice de turnover aumenta devido aos pedidos de demissão, é preciso investigar o que está levando os profissionais a saírem da empresa. Neste artigo, vamos mostrar quais são as principais causas de turnover, como você pode medir o índice de turnover para entender se é ou não preocupante e conhecer algumas soluções para reduzir a rotatividade. Confira!

Quais são as principais causas da rotatividade nas empresas?

Diversos fatores podem influenciar na decisão de um profissional em mudar de emprego. Uma oferta de trabalho com melhores oportunidades de crescimento, mais benefícios ou um salário maior são fatores bastante comuns. Por isso, muitas empresas acreditam que perdem o colaborador para esse tipo de proposta. 

No entanto, existem outros fatores que influenciam no desejo do colaborador em se desligar, segundo matéria do portal de notícias G1. Veja alguns desses fatores:

  • Falta de reconhecimento no trabalho;
  • Falta de oportunidade ou crescimento na empresa; 
  • Inadequação com valores e cultura da empresa;
  • Desconforto com a gestão ou falta de comunicação com o chefe;
  • Falta de propósito no trabalho;
  • Falta de qualidade de vida.

No Brasil, o índice de turnover atingiu 40% em 2016, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). Em partes, causado pelas empresas que estão demitindo, mas também por iniciativa dos colaboradores . Mesmo com a crise financeira que o país enfrenta, esses profissionais preferem sair do trabalho a ter que lidar com algumas questões, como os fatores que citamos anteriormente. 

Como calcular o índice de turnover da empresa?

Demissões são naturais, mas é preciso estar alerta e saber identificar quando a taxa de rotatividade pode prejudicar o negócio. Aprender a calcular o índice de turnover vai ajudar a empresa a ficar atenta para os dados e buscar soluções para reduzir a taxa. 

Para identificar o índice de turnover é necessário fazer a soma do total de admissões e o total de desligamentos da empresa. Em seguida, dividir o resultado por dois e, novamente, dividir o resultado pelo número de funcionários. 

Segundo a última pesquisa realizada pela Fecomercio/SP, em 2017, a taxa média de turnover nos principais setores da economia foi de 3,79. Sendo que o comércio atingiu uma taxa bem acima da média: 6,17. 

Além de fazer o cálculo, é necessário fazer avaliações com os colaboradores, levantar opiniões sobre o índice de satisfação, quais são as expectativas em relação à empresa e mais uma série de informações. O índice de turnover é apenas um dos indicadores. O conjunto de informações é que vai revelar se há problemas relacionados com a gestão da empresa. 

Como a tecnologia pode proporcionar mais bem-estar e reduzir a rotatividade?

A satisfação do colaborador com relação ao ambiente de trabalho é um motivador de demissões. O estresse, a falta de conexão com a cultura, a desvalorização do profissional e outros fatores refletem no bem-estar do colaborador. Prova disso é o aumento nos casos de burnout – síndrome causada pelo esgotamento mental relacionado com o trabalho

A empresa tem o dever de cuidar da saúde mental e física do profissional, garantindo que ele se sentirá bem em exercer sua atividade. Mesmo porque, a própria organização tem mais a ganhar com um colaborador saudável do que doente. 

A tecnologia tem proporcionado recursos que ajudam as empresas a cuidar da saúde do colaborador. Programas de qualidade de vida podem ser controlados com plataformas e aplicativos. É possível capturar dados sobre o bem-estar do profissional, medir índices de saúde, acompanhar as atividades que o colaborador está realizando, criar gincanas para engajar os profissionais e mais uma série de ações. 

Quer saber mais sobre o assunto? Veja como reduzir os índices de turnover e melhorar a retenção de talentos investindo em tecnologia.


Bruno Rodrigues

Author Bruno Rodrigues

CEO e co-fundador da GoGood. Bruno Rodrigues é empreendedor e especialista em inovação pela Universidade de Stanford, co-fundador da GoGood e apaixonado por tecnologia em saúde e por negócios com impacto social. Antes de sua carreira como executivo, foi atleta profissional de karatê e campeão Sulamericano.

More posts by Bruno Rodrigues

Leave a Reply