O turnover prejudica a empresa em diferentes aspectos. Além de implicar em custos diretos, com demissão, procura e contratação de mão de obra, a rotatividade de funcionários também provoca custos indiretos, como a perda da produtividade. É um impacto mais difícil de ser mensurado, mas que prejudica de forma decisiva o seu faturamento ao final de um período. A solução é investir na retenção de talentos.

Empresas que entenderam essa necessidade elaboram processos de contratação mais assertivos, para encontrar o perfil mais adequado à posição. Mas não basta escolher as pessoas certas. As organizações precisam proporcionar um bom ambiente de trabalho e benefícios para manter os colaboradores engajados e satisfeitos. A tecnologia pode e deve ser usada a favor da retenção de talentos. Veja como, neste artigo!

O que é retenção de talentos e por que é importante

A retenção de talentos é alcançada por meio de uma série de estratégias que a empresa utiliza para manter os profissionais motivados e capacitados. Organizações que identificam essa necessidade investem em benefícios, melhoram o clima organizacional e realizam ações que contribuem para que o colaborador esteja satisfeito e feliz em fazer parte da equipe. 

Ter os melhores profissionais do mercado no time torna a empresa mais competitiva e mais eficiente. Já o contrário pode prejudicar as operações do negócio e fazer com que a empresa perca oportunidades de crescimento. Por esse motivo, investir na retenção de talentos deve ser uma estratégia prioritária do departamento de Recursos Humanos.

Quais são os principais desafios na retenção de talentos

Os colaboradores são o principal ativo de uma empresa. Sem eles, nada funciona. Montar uma equipe preparada e com os melhores profissionais do mercado é um processo que pode levar anos. Os profissionais precisam se adaptar à cultura da empresa, entender os processos e contribuir com suas expertises. 

Nesse processo, diversos obstáculos podem surgir, inclusive por questões externas à empresa. Um exemplo são momentos de crise econômica pela qual o país passa. 

Em 2016, quando foi registrado o segundo ano consecutivo de recessão, a taxa de rotatividade no Brasil chegou a quase 40%, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), do Ministério do Trabalho

Em situações como essa, as empresas tendem a se acomodar, acreditando que o mercado de trabalho não está aquecido e as oportunidades de emprego diminuem. Esse tipo de pensamento é um grande erro. Profissionais capacitados sempre têm oportunidade no mercado e é em momentos como esse que as empresas vão procurar pelos melhores. 

A falta de adesão a uma cultura organizacional estruturada é outro desafio que atrapalha  a retenção de talentos. Quando o colaborador não entende quais são os valores da empresa e percebe que falta integração entre os profissionais, começa a sentir a necessidade de procurar um ambiente com o qual se identifique. Esse ponto também está relacionado com a falta de transparência e valorização do colaborador.

O profissional deve saber qual é a importância que a sua posição tem sobre os processos e resultados da empresa. Muito mais do que oferecer bons salários, a companhia deve envolver os profissionais em suas decisões. Além disso, deve valorizar a atuação de cada profissional. 

Nesse sentido, a tecnologia é uma aliada. Uma série de ferramentas são desenvolvidas diariamente com objetivo de tornar o trabalho mais ágil, eliminar os gargalos nos processos e permitir que o RH se dedique a ações mais estratégicas e focadas no colaborador. Veja algumas soluções que podem ajudar. 

3 exemplos de como a tecnologia pode ajudar

Ferramentas de feedback

O processo de feedback pode ser feitos de forma mais dinâmica. A Feedz é uma ferramenta onde os profissionais da empresa podem fazer comentários positivos sobre os colaboradores e como suas atividades influenciam positivamente nos resultados do negócio. 

Avaliações de desempenho

A avaliação de desempenho exige muito tempo dos profissionais de RH e contam com etapas que podem ser automatizadas. O preenchimento de formulários e pesquisas, por exemplo, podem ser respondidas online. O Google Forms é uma ferramenta gratuita, que permite a criação de uma série de questionários. Dessa forma, apenas o mais importante é feito presencialmente.

Plataforma de engajamento

Unir e engajar os profissionais é uma das tarefas mais difíceis e importantes para a retenção de talentos. Aplicativos e plataformas permitem a interação e a conectividade entre os profissionais em atividade em comum, como a prática de exercícios, leitura, troca de experiências etc. 

A GoGood é uma plataforma focada na promoção da saúde e do bem-estar dos colaboradores. Para isso, auxilia na gestão dos programas de promoção da saúde. Dentro da ferramenta, as ferramentas podem criar desafios para os colaboradores. Enquanto isso, os profissionais acompanham o próprio desempenho e o dos colegas. Dessa forma, aumenta a qualidade de vida e o engajamento dos profissionais.

Os desafios da retenção de talentos esbarram, principalmente, na multiplicidade das tarefas. São muitos processos que o RH precisa lidar, muitos profissionais para observar e comportamentos para avaliar. O uso da tecnologia vem para agregar e facilitar os processos dentro das empresas. Com o investimento em plataformas, que permitem reunir informações, analisar dados e verificar os resultados, o RH pode se dedicar a ações estratégicas. Veja como engajar os colaboradores com plataformas de promoção da saúde.


Bruno Rodrigues

Author Bruno Rodrigues

CEO e co-fundador da GoGood. Bruno Rodrigues é empreendedor e especialista em inovação pela Universidade de Stanford, co-fundador da GoGood e apaixonado por tecnologia em saúde e por negócios com impacto social. Antes de sua carreira como executivo, foi atleta profissional de karatê e campeão Sulamericano.

More posts by Bruno Rodrigues

Leave a Reply